domingo, 8 de agosto de 2010

Viver: um grande prazer

Talvez não seja o fim de uma grande historia. Talvez seja. Há quem goste de ser enganado, fingir que nada está acontecendo e ser um otimista barato. Há quem tolera mentiras, mas que investiga até o fim o porquê de tantos contos. Há quem simplesmente acredita em um amor jovem, fantasioso e não vê nada além de felicidade eterna, que geralmente só existe em filmes.
Desses, os que agem de maneira racional, depois de determinado tempo andando em círculos, acabam desistindo da crença da felicidade e buscam novos substantivos para o bem estar. O fim da historia, agora, se torna apenas um fato concebível. O inicio de outra se torna um fato praticamente criado e educado, pronto para viver no mundo das esperanças. Contudo, a certeza de que tudo tem um fim dessa vez o acompanha, a racionalidade fica equiparada com os sentimentos, vivendo em harmonia. Nem sempre perfeita.
Novos rumos serão tomados, historias iniciadas e finalizadas e a certeza de que o bem estar sempre vai ser a imparcialidade das decisões da vida. Afinal, a graça disso tudo é saber arriscar e tolerar as conseqüências. É rir, chorar, se arrepender, mas sempre ter a certeza de que tudo foi feito com esforço, dentro do limite de cada um. Ninguém poderá dizer que você não lutou. Ninguém será capaz de julgar alguém que vive em busca de amor.

2 comentários:

Giulia disse...

um poeta!

Thais motta ~ disse...

QUERIDÃÃÃÃO!
Adorei teu recado no orkut e teu comentário.
Quanto tempo que a gente não se fala né ?
Saudades de você moço .

Vê se não some mais .
Um beijão .

ps.: Adorei o post!