quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Em forma de sonho


Acordei. Demorei um pouco para me situar novamente, suspirei ao reconhecer meu quarto. Mais uma noite de sono cansada, distante de um sonho. Quanto tempo faz que uma boa lembrança não se torna realidade por algumas horas? Ultimamente tem ficado automático, é apenas uma regra, durma.
 
 Lembro-me da noite anterior. Nós estávamos juntos em alguma parte da cidade. Desculpe, mas exageramos na bebida e por mais que eu tente me esforçar, só consigo lembrar de nós dois juntos. Iniciamos aquela conversa boba sobre rosas, lembra? Eu não sei se foi o efeito do etílico, mas você ali sentada era a Margarida mais linda e amarela, de todo aquele vasto jardim, você conseguia fascinar o mais dedicado dos Zangões. Você pedia para eu parar de falar besteira, mas o meu coração ali ganhou voz. Mesmo que eu tivesse vontade de calá-lo, ele lutaria até o fim só pra te dizer o quanto você faz bem a ele.

 
Sabe do que lembrei, também? De quando você pegou na minha mão e olhou dentro dos meus olhos, me senti um pouco zonzo com aquele seu olhar fixo. Por um momento pensei que fosse ser repreendido por estar apenas sendo sincero. Foi incrível ouvir sair pelos seus lábios aquele som do amor, mesmo que ainda envergonhado: “Pára, estou começando a acreditar em você!” Eu não parei porque quis, muito menos ri descrente, juro! Mas deitar no seu colo foi a melhor maneira de demonstrar, em silencio, o quanto eu queria que você acreditasse. O riso foi apenas meu coração gritando de felicidade.

 
Prometi não levar em consideração nossa bebedeira, estava claro que começamos a afogar as mágoas juntos e terminamos descobrindo novas pessoas. Acabamos nos enxergando. Àquelas horas passaram como carros em alta velocidade em uma grande avenida, mas cada beijo era como um pedestre insano se arriscando ao perigo, atravessando, querendo ir de encontro ao carro vermelho do amor, com o seu motorista embriagado. 

 
Não me lembro de me despedir, muito menos de como nosso momento acabou. Não lembro como cheguei em casa, como troquei de roupa, de quando começamos a beber.  Precisava lavar um pouco o rosto. Ao assistir meu reflexo cansado dei conta de que não existiu um momento. Sem querer lembrei que ontem foi apenas quarta-feira e eu dormi logo após chegar do trabalho.

 
Foi quando meu reflexo riu feliz e apaixonado. Sonhei com você, sonhei com a gente, sonhei por causa de todo nosso pouco bom tempo juntos. Saí e fui tomar um café, afinal, logo começaria tudo de novo. Cedo ou tarde ia te encontrar e poder contar tudo pra você, agradecer por me fazer tão bem.

7 comentários:

Lorena disse...

Nossa, que lindo! Tá apaixonado?

shuahushuuhs

Camila disse...

Adorei o texto.Pena que foi um sonho pro Eu lírico..rsrs

Seu blog é muito show
obrigada por visitar o meu :D

tô seguindo
beijão.

Laari disse...

Muito bom ! ^^

http://meumundoloove.blogspot.com/

Gustavo disse...

Owwwn, ti fofu
Sonho doidera...

Thaissa disse...

Xiii munitooo *-* rs

Cheiro =) disse...

- que lindo !
as vezes fugo pra cá quando está olhando .. rs
seus textos são sempre foda, ainda não esqueci do meu não tá .. ;p

Joyce Carolini disse...

Que texto leve. Tem uma doçura linda!

Tão belo é esse sentimento, amor.

Beijos Vinícius!